Fernanda Ezabella

Hollywood e outras viagens

 

Roller Derby WC - Brasil x Suécia

Hoje começou de verdade a 1a Copa do Mundo de Roller Derby, aqui em Toronto.

 

O placar de todos os jogos do dia foi massacrante, e o Brasil, ao menos, jogou com bastante vontade até o fim.

Ficou Suécia 163 x 30 Brasil. Feio! Mas olha só: o Canadá fez 244 contra 17 da França! E os EUA fez 377 contra 7 da Nova Zelândia!!

Na sexta, pegamos Canadá e França.

Quando tiver tempo, escrevo com mais calma. Foi meu primeiro jogo pra valer de roller derby e o primeiro também de muitas jogadoras do Brasil. No final, foi bastante animado.

As fotos são de Hale Yeah, fotógrafo oficial da seleção brasileira (chique!!).

Mais fotos do Roller Derby World Cup na página do Facebook do blog

PLACAR 1/12 

Canadá 244 x 17 França

Austrália 179 x 29 Finlândia

Suécia 163 x 30 Brasil

EUA 377 x 8 Nova Zelândia

Irlanda 164 x 51 Argentina

Austrália 136 x 53 Alemanha 53

 

Escrito por Fernanda Ezabella às 04h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Roller Derby WC - nossas adversárias

Em Toronto, participando da 1a Copa do Mundo do Roller Derby.

Jogadoras da Alemanha fazem "corredor polonês" para as brasileiras saírem do ônibus. Deu pra ver a neve???

Jogadoras da Finlândia, com uma cabeça de cavalo de pelúcia. Elas explicaram, mas eu não entendi nada...

Mocinha kiwi, da Nova Zelândia, com "tatuagem" maori!

Nossas hermanas da Argentina, com nossa jogadora Fernanda, aka Matadora (de Stuttgart).

E as torcedoras da França, bem animadas!

Escrito por Fernanda Ezabella às 15h41

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Dia de treino em Toronto


 

Ontem foi nosso primeiro treino aqui em Toronto para a 1a Copa do Mundo de Roller Derby.

Conhecemos nossa treinadora local, OMG WTF, praticamente uma lenda do roller derby do flat track nos EUA. 

E também patinamos todas juntas pela primeira vez. Como disse antes aqui no blog, muitas jogadoras vem de cidades diferentes - São Paulo, Rio de Janeiro, Los Angeles, Nova York, Stuttgart...

Cada uma tem um nível de roller derby, é um time bastante "eclético", digamos assim. 

Antes do treino, fizemos um jogo de aquecimento com as americanas, melhor time do mundo, e sobrevivemos (foto abaixo, de Diane Doiron, do National Post)

Foi meio frustante no começo, estávamos meio estabanadas, mas, depois do treino, acho que ficamos mais "ligadas".

Hoje é nosso primeiro jogo, contra Suécia. Vai ser dureza...

As outras duas fotos acima do post são de Jason Colby - Studio Trash Photography.

Abaixo, é do meu celular, do ginásio onde vai rolar o evento. A pista está marcada com fita e corda. Bem simples.

E são duas pistas debaixo do mesmo teto. Muita gente reclamou, vai ser muito barulho de apito... 

 

Escrito por Fernanda Ezabella às 15h25

Comentários () | Enviar por e-mail | Viagens | PermalinkPermalink #

"O Abrigo" e "The Artist" lideram Spirit Awards

Começou oficialmente a temporada de caça aos prêmios do cinema!

Hoje, aconteceram os anúncios dos indicados do principal troféu do filme independente, o Spirit Awards, e também dos melhores trabalhos de 2011 segundo os críticos de Nova York.

O drama “O Abrigo”, sobre um homem paranoico com o fim do mundo, e a comédia “The Artist”, filme mudo em preto e branco, lideraram as indicações do Spirit Awards, cada um com cinco.

Os prêmios serão entregues em 25 de fevereiro, um dia antes do Oscar.

Os dois longas disputam melhor filme do ano com “50/50”, “Beginners”, “Drive” e “Os Descendentes”. 

“O Abrigo” (foto acima), um drama contemporâneo que tem estreia prevista no Brasil em 13 de janeiro, foi indicado também para direção (Jeff Nichols), ator (Michael Shannon), atriz coadjuvante (Jessica Chastain) e produtores emergentes (Sophia Lin).

“The Artist” (foto acima), sobre a decadência de um ator na transição do cinema mudo para o falado, sem data de estreia no Brasil, disputa nas categorias direção (Michel Hazanavicius), roteiro (Michel Hazanavicius), ator (Jean Dujardin) e fotografia (Guillaume Schiffman).

“Drive”, “Beginners”, “Os Descendentes” e “Martha Marcy May Marlene” receberam cada um quarto indicações.

Entre os documentários, foram selecionados “An African Selection”, “The Interrupters”, “The Redemption of General Butt Naked”, “Bill Cunningham New York” e “We Were Here”.

Os dois últimos estão também na lista dos 15 trabalhos escolhidos para disputar as cinco vagas do Oscar.

Na categoria filme internacional, ficaram “A Separation” (Irã), “Melancolia”(Dinamarca, Suécia, França e Alemanha), “Shame”(Inglaterra), “The Kid with a Bike”(Bélgica, França e Itália) e “Tyrannosaur (Inglaterra).

Críticos de Nova York elegem "The Artist"

Entre filmes de diretores estreantes, disputam o Spirit Awards “Martha Marcy May Marlene”, “Another Earth”, “In the Family”, “Natural Selection” e “Margin Call - O Dia Antes do Fim”.

“Margin Call” (foto acima) foi vencedor de outro prêmio da mesma categoria anunciado também hoje, do Círculo de Críticos de Cinema de Nova York. 

O longa de J.C. Chandor conta a história de um analista financeiro no meio da crise econômica de 2008, com Kevin Spacey, Paul Bettany, Jeremy Irons e Demi Moore. Tem estreia prevista no Brasil para 9/12.

"The Artist" e seu diretor, Michel Hazanavicius, foram eleitos melhor filme e direção do ano pelo grupo nova-iorquino.

Como melhor ator, ficou Brad Pitt por “O Homem que Mudou o Jogo” (estreia no Brasil em 3/02) e “A Árvore da Vida”, enquanto melhor atriz foi para Meryl Streep por “A Dama de Ferro” (previsão de chegar ao Brasil em fevereiro).

Jessica Chastain ganhou troféu de atriz coadjuvante pelos trabalhos em “A Árvore da Vida”, “Histórias Cruzadas” (fevereiro) e “O Abrigo”. 

Entre os filmes de não ficção, Werner Herzog foi premiado pelo documentário “Cave of Forgotten Dreams”. E, na categoria filme estrangeiro, ficou “A Separation” (Irã).

Escrito por Fernanda Ezabella às 15h29

Comentários () | Enviar por e-mail | Cinema e TV | PermalinkPermalink #

Black Dahlia e a 1a Copa do Mundo de Roller Derby

Foto by Brian Macke

A americana Dale Rio, a.k.a. Black Dahlia (foto), é uma globetrotter dos patins.                   READ THE ENGLISH VERSION

Começou jogando roller derby na L.A. Derby Dolls, passou por times de Nova York e Seattle, fundou uma liga da Nova Zelândia e hoje vive viajando para dar treinamentos.

Mais importante, ela é uma das criadoras da 1ª Copa do Mundo de Roller Derby, que acontece entre quinta e domingo em Toronto, no Canadá.

Junto com Lindy Hartsfield, a.k.a. Robin Graves, Dahlia fundou em 2006 a revista especializada em roller derby “Blood & Thunder”, organizadora oficial da Copa do Mundo.

São 13 seleções no total e, SIM, o Brasil tem um time (do qual faço parte, aliás...).

Para saber mais sobre a Copa, pule aqui. Ou, para  saber que raios é isto de roller derby, pule para cá.

A seguir, uma entrevista que fiz com Dahlia, 40, por e-mail. 

Folha - Como surgiu a ideia de fazer a primeira Copa do Mundo? Por que agora?

Dahlia - Uma amiga da Nova Zelândia participou de um jogo informal tipo “time Mundo” contra “time EUA” e, depois da partida, ela e outra jogadora ficaram conversando sobre como seria incrível se algum dia existisse uma copa do mundo de roller derby. Eu não consigo esquecer uma boa ideia, então isto ficou comigo por vários anos e este ano simplesmente me pareceu o momento certo.

Folha - Como você compara a qualidade do roller derby jogado em lugares tão diferentes, na América do Sul, Oceania, Europa e América do Norte? Quem são os favoritos?

Dahlia - Não posso comentar sobre quem são os favoritos. Porém, quatro times foram escolhidos para liderar as chaves de acordo com a experiência. Então, em teoria, estes seriam os times para prestar atenção (Canadá, Inglaterra, Alemanha e EUA). No entanto, nunca se sabe, sempre há possibilidades de surpresas. O roller derby agora está em diferentes estágios pelo mundo... É interessante quando viajo para dar treinamentos, posso ver paralelos entre onde outros países estão agora no desenvolvimento do esporte e onde nós estávamos em vários outros estágios nos EUA.

Folha - A seleção brasileira tem jogos bem difíceis pela frente. Que conselhos daria às jogadoras?

Apenas mantenha a mente aberta para aprender. Mesmo que perca, há muito para aprender jogando. Tire vantagem da quantidade de roller derby a ser visto nesta semana, e, mesmo que não esteja jogando, assista a todos as partidas possíveis e observe as diferentes estratégias de cada time. Converse com outras jogadoras sobre treinamento e tente sair da copa com o máximo de informação possível. Tome notas. E não esqueça de dormir e beber água o suficiente!

Folha - Quantas pessoas são esperadas e quanto custou para organizar a copa?

Temos aproximadamente 260 patinadoras participando e nossos 1500 ingressos estão esgotados (a primeira leva de ingressos VIP foi vendida em 12 horas, e quando abrimos outros 100, acabaram em sete minutos!). Não temos ainda o total das despesas, mas basta dizer que organizar isto tudo está custando bem mais do que todos imaginavam. Mas é mais importante para nós fazer um evento de qualidade, no qual todos são bem tratados, do que fazer lucro.

Folha - Pode falar um pouco da sua jornada pessoal? Como começou na LA Derby Dolls e onde está agora?

Comecei jogando em 2003. Tinha acabado de mudar para Los Angeles de Nova York e recebi um email de uma conhecida em NY me contando que tinha acabado de começar uma liga por lá e se eu gostaria de fazer parte. Bad timing! Disse que tinha me mudado e ela falou que uma amiga estava iniciando um liga em L.A. Eu me juntei a elas e fiquei por lá por dois anos até ir para a Nova Zelândia, onde fundei a liga Pirate City Rollers. Nos anos seguintes, me mudei bastante, treinei por alguns períodos com as Gotham (NY) e passei um ano com as Jet City. Na minha última passagem por Nova York, machuquei o joelho e resolvi me mudar para a Filadélfia. Fiquei sem patinar por um ano. Comecei do zero com a Philly Roller Girls até o trabalho com a Copa do Mundo me fazer sair de cena de novo. Quando a copa acabar, volto a patinar!

Visite o site oficial da Copa do Mundo

Veja os jogos ao vivo a partir de quinta no DerbyNewsNetwork

Siga a seleção brasileira no Facebook 


 

 

Escrito por Fernanda Ezabella às 06h02

Comentários () | Enviar por e-mail | Viagens | PermalinkPermalink #

Black Dahlia and the 1o Roller Derby World Cup

Foto by Brian Macke

Dale Rio, a.k.a. Black Dahlia, is a roller derby globetrotter.

She started playing at L.A. Derby Dolls in 2003, went on skating in New York and Seattle, founded a league in New Zealand and now travels the world leading boot camps.

More importantly, she is one of the founders of the First Roller Derby World Cup, which takes place this week in Toronto, Canada.

The event is organized by Blood and Thunder magazine, published since 2006 by Dahlia and Lindy Hartsfield, a.k.a. Robin Graves.

We talked to her about WC and her life on wheels:

Folha - How did you come up with the idea of the World Cup? Why now?

A friend of mine from New Zealand played on an ad hoc "team world" that took on "team u.s.a.," and after the game she and another team world player were talking about how great it would be if someday there was a world cup for derby. I can't say "no" to a good idea, so i sat on it for several years, and this year just seemed like the right one! 

Folha - How would you compare the quality of the roller derby played in so many different places, like South America, Oceania, Europe and North America?

I can't really comment on who may be favored to win. However, four teams were seeded based on experience for the group rounds, so, in theory, those would be the ones to watch (Canada, England, Germany, and the U.S.A.). You never know, though, there could always be an upset. Derby right now is at different stages throughout the world... It's interesting when I travel for our training camps, I can see parallels between where other countries are currently at in the development of the sport and where we were at at various stages in the U.S. 

Folha - I’m part of the Brazil team and we know we have a tough job ahead of us. What tips would you give to the players of an underdog team?

Just keep your minds open to learning. Even if you do get beaten, there's a lot to be learned by playing a team that you get beaten by. Take advantage of how much derby there is going to be over the weekend, and even if you aren't playing, watch as many games as possible and dissect different teams' strategies. Talk to them about training, and just try to come away from the cup with as much new information as possible. Take notes. And make sure to get enough sleep and drink enough water! 

Folha - How many people are expected at the World Cup, and how much does it cost to organize?

We have approximately 260 skaters taking part, and our tickets sold out at 1500 (our first batch of vip seats sold out in 12 hours, and when we opened up another 100, they sold out in 7 minutes!) We don't know the totals yet regarding expenditures, but let it suffice to say that putting this thing on is costing way more than anyone had imagined. But it's more important to us to put on an event that's high caliber and where everyone is treated well than to turn a profit.   

Folha - Can you tell a bit of your personal story? When did you start playing in LA Derby Dolls and where are you skating now?

I started playing in 2003. I had just moved to L.A. from New York, and I got an email from an acquaintance in New York telling me she had just started a derby league, would I like to join? Bad timing! I told her I'd just moved, and she told me a friend of hers was just starting a league in L.A. I joined and stayed in L.A. for two years before going to New Zealand, where I founded the Pirate City Rollers. For the next several years, I moved a lot, training for a couple short stints with Gotham and spending a year playing with Jet City. During my most recently stint in New York, I injured my knee and then made the decision to move to Philadelphia, so I didn't skate for a year. I started from scratch with the Philly Roller Girls until the demands of the World Cup made me decide to take another hiatus. Once the cup is over, i'll be back to skating! 

Go! Roller Derby World Cup official site

Follow the games starting Thursday at DerbyNewsNetwork 

Follow Team Brasil on Facebook / Support Team Brasil

Escrito por Fernanda Ezabella às 05h50

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Silvio E. G. Cioffi Fernanda Ezabella é correspondente da Folha em Los Angeles e escreve sobre a vida em Hollywood, as novidades do Vale do Silício e as aventuras do roller derby.
Twitter Facebook RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.